USTRA: O SÁDICO ABOMINÁVEL

por Chico Alencar; Com conteúdos extras

Imagem editorial – Original de meudicionario.org

Lembro bem do dia em que o atual presidente, então deputado federal, durante a votação do impeachment de Dilma Rousseff, bradou em pleno Congresso Nacional a sua homenagem ao condenado por tortura na Ditadura Militar, coronel-Em-Nada-Brilhante-Ustra. Ali estava sendo gestado o ovo da serpente.

A longa “gestação” passou incólume pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar (quando Bolsonaro de novo exaltou o torturador como “herói”) e hoje irrompe no viés autoritário deste (des)governo. Serpenteia no discurso cínico, perverso, daqueles que tentam fazer a Fake História.

O que está em curso, e fica claro na entrevista do vice-presidente Hamilton Mourão ao jornal alemão Deutsche Welle, é uma tentativa de reescrita da História.

Diante do jornalista que não “calou a boca” e nem temeu “porrada” (vale lembrar do tratamento do presidente-Capitão à nossa imprensa), o vice Mourão não se constrange ao justificar tamanha admiração do alto escalão brasileiro ao torturador-mor.

Embora diga que não está “alinhado” à tortura, Mourão observa que “muitas pessoas daquela época ainda estão vivas, e todas querem colocar as coisas da maneira que viram” (como se fosse uma questão de mero ponto de vista). Completa ser necessário esperar “que todos esses atores desapareçam para que a História faça sua parte”.

Muitos da minha geração desapareceram sob sequestro, tortura, morte e sumiço dos corpos. Ustra foi o sinistro coordenador da montagem do terrorismo de estado no Brasil. “Amigos presos, sumidos assim pra nunca mais”…

Tentativas de negar episódios nefastos de autoritarismo também fazem parte da nossa História. Servem de alerta para repudiarmos esse cinismo criminoso. Trata-se de uma questão de princípios, de valores humanos básicos.

Como historiador e professor, manifesto meu repúdio e pesar. O intento de reescrita (e apagamento) da História se materializa, nos planos Federal, Estadual, Municipal, em políticas para sufocamento da pluralidade, da diversidade de gênero, credo, raça, no anunciado financiamento público de escolas religiosas “alinhadas” ao discurso oficial.

A serpente se revela no alijamento de qualquer discurso, ideia ou crítica que conteste esta forma perversa de (des)governar. Esperar não é saber: façamos “a hora”, agora, tecendo em soluções coletivas as articulações possíveis e construindo uma frente de resistência democrática. Não passarão!


EXTRA


QUEM FOI O CORONEL USTRA? #meteoro.doc – por Meteoro Brasil

Celebrado no governo Bolsonaro, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, comandou a tortura durante o regime militar. Além das torturas, ele também foi responsável por assassinar dissidentes e por ocultar seus cadáveres; essas são práticas um tanto incompatíveis com o título de “herói”.

Roteiro:
Sandoval Matheus

Edição:
Danilo Boros

Essa é a Loja As Baratas, onde você encontra nossa camiseta:
https://asbaratas.com.br/loja/
Essa é a campanha de financiamento coletivo que mantém esse canal no ar:
https://goo.gl/koguaJ
E tem a nossa caixa postal 17905 CEP 80410-981

O Meteoro já caiu no facebook, no twitter e no instagram:
https://www.facebook.com/meteorobr/
https://twitter.com/meteoro_br
https://www.instagram.com/meteorobrasil/

Trilha sonora:
Raining in Tokyo
https://www.youtube.com/watch?v=XKDGZ…
Pesona 3 – Maya
https://www.youtube.com/watch?v=VRXS…

Referências utilizadas:
Justiça de São Paulo reconhece Ustra como torturador
https://politica.estadao.com.br/notic…
“Excessos podem ter havido de ambos os lados”, disse o coronel Ustra em entrevista a ZH em 2014
https://gauchazh.clicrbs.com.br/polit…
A Ditadura Escancarada, de Elio Gaspari
http://redept.org/uploads/biblioteca/…
Bete Mendes denunciou Ustra: “fui torturada por ele”
https://acervo.estadao.com.br/noticia…
Destacamento de Operações e Informações – Centro de Operações e Defesa Interna (DOI-Codi)
http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicion…
Dicionário ilustrado da tortura no Brasil
https://www.vice.com/pt_br/article/yp…
Tomada Pública de Depoimentos de Agentes de Repressão: Marival Chaves
https://www.youtube.com/watch?v=pKcnT…
Carlos Brilhante Ustra (Doutor Tibiriçá)
http://memoriasdaditadura.org.br/biog…
Durante depoimento de Ustra, comissão aponta 50 mortos no DOI
http://g1.globo.com/politica/noticia/…
Tomada Pública de Depoimentos: Gilberto Natalini (ex-preso político)
https://www.youtube.com/watch?v=fqt4q…
Tomada Pública de Depoimentos de Agentes de Repressão: Coronel Ustra
https://www.youtube.com/watch?v=pWsv4…
Luiz Eduardo da Rocha Merlino
http://memoriasdaditadura.org.br/memo…
Depoimento Luiz Eduardo da Rocha Merlino
https://www.youtube.com/watch?v=kqXDh..


LINKS – Reproduzido do projeto do portal Memórias da Ditadura, uma realização do Vlado Educação – Instituto Vladimir Herzog

Sites de referência sugeridos para você se aprofundar no assunto.
Aqui você vai encontrar documentos de época, depoimentos, histórias e mais.

Instituto Vladimir Herzog

Comissão Nacional da Verdade

Memórias Reveladas

Arquivos da ditadura, de Elio Gaspari

Documentos revelados

Cartografias da ditadura

Fundação Perseu Abramo

Brasil Nunca Mais Digital

Opening the archives, Universidade Brown

Resistir é preciso

Centro de documentação Eremias Delizoicov

Em 1964 (Instituto Moreira Salles) – arte e cultura no ano do golpe

Grupo Tortura Nunca Mais – SP

Grupo Tortura Nunca Mais – RJ

Reportagens em veículos brasileiros:

Radiodocumentário da EBC vencedor do prêmio Libero Badaró (com opção de download)

Especial da Folha de S. Paulo sobre o AI-5

Especial da Folha de S. Paulo sobre os 50 anos do golpe militar

Especial do Estado de S. Paulo sobre 1964


Sobre Chico Alencar

VERBETE DA WIKIPÉDIA
Chico Alencar é graduado em História na Universidade Federal Fluminense, foi professor da disciplina no ensino fundamental e médio do Rio de Janeiro, nas redes pública e privada. É mestre em Educação pela Fundação Getúlio Vargas, tendo apresentado uma dissertação sobre o movimento das Associações de Moradores do Rio do qual foi um dos principais líderes no início dos anos 1980, tendo presidido a Federação das Associações de Moradores do Estado (Famerj).

É membro da Comissão de Direitos Humanos e do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, e vice-líder do seu partido na câmara. Desde 2006, tem sido incluído na lista dos “100 parlamentares mais influentes do Congresso”, divulgada anualmente pelo Diap.

Em 2009, ficou em primeiro lugar no Prêmio Congresso em Foco, como o deputado mais atuante da Câmara.

Em 2015, foi, pela sexta vez consecutiva, eleito pelos jornalistas que cobrem o Congresso Nacional o melhor deputado do país, obtendo os votos de 110 dos 186 profissionais de imprensa que participaram da votação do Prêmio Congresso em Foco.

Em 17 de abril de 2016, Chico Alencar votou contra a abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Na Câmara dos Deputados, tem atuação nas áreas da educação, da saúde, da reforma agrária, do combate à corrupção, da gestão ambiental, da divida pública, da habitação popular, entre outras. É um dos deputados de maior expressão, segundo pesquisa do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP).

A história deste político teve início nos anos 60, quando se tornou líder comunitário, estudantil e militante do movimento sindical. Foi criado na Tijuca, Zona Norte do Rio. Hoje mora em Santa Tereza, centro do Rio. Começou atuando nas pastorais da Igreja Católica, um celeiro de quadros políticos do PT.


Post original