“Os liberais brasileiros foram encontrados nus”

por Aline Passos

Reprodução - internet
A imagem é a seguinte: os liberais brasileiros foram encontrados nus no meio de uma suruba na casa do presidente da República (com Osmar Terra, com tudo) e, agora, usam o famoso truque de olhar para cima, fingindo observar alguma coisa no céu, para distrair os presentes e sair correndo.

Uma pessoa muito querida, vez ou outra, diz que eu implico com liberais.

No entanto, de ontem para hoje, presencio nas redes uma tentativa desesperada de liberais de desviarem a atenção do apoio que deram a Bolsonaro.

Não me refiro aos miseanos capitaneados por Hélio Beltrão que seguem aberta e firmemente defendendo até o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19. Este setor, em particular, sempre foi olavista e bolsonarista. A defesa que fazem do governo e da família Bolsonaro não tem disfarces.

Estou aqui falando daquele setor de apoio das falsas equivalências entre Bolsonaro e a esquerda. O setor do voto nulo. O setor que tratou Paulo Guedes como não-integrante do governo Bolsonaro para apoiá-lo sem sujar as mãos. Ou os três juntos porque desgraça pouca é bobagem.

A imagem é a seguinte: os liberais brasileiros foram encontrados nus no meio de uma suruba na casa do presidente da República (com Osmar Terra, com tudo) e, agora, usam o famoso truque de olhar para cima, fingindo observar alguma coisa no céu, para distrair os presentes e sair correndo. Além disso, reinventam a máxima bolsonarista “e o PT?”, de maneira mais ampla, como “e a esquerda?”, toda vez que chamados à responsabilidade por suas falcatruas travestidas de análise política e/ou econômica.

Seria apenas pastelão, e minha insistência em denunciá-los seria apenas implicância, se não fosse urgente e necessário identificá-los para jamais depositar neles qualquer confiança a respeito de eventuais compromissos políticos que se firmem sob o rótulo de “frente democrática”.

3 minutos de Vossa atenção:

Pedro Menezes, do Instituo Mercado Popular, depois de escrever linhas e mais linhas de concordância e apoio a Guedes desde o começo do governo, agora diz no twitter que o ministro da economia nunca foi liberal.

1 min de silêncio para a autocrítica.

Também no twitter, Ivanildo Terceiro (do Students For Liberty Brasil) numa dobradinha com Leandro Narloch (sim , o rapaz que nega a escravidão), afirma que parlamentares do PC do B concordam mais com frases de Mussolini do que parlamentares do DEM. Sim, eles mesmos checaram, a partir de uma singular metodologia em que escolheram frases de Mussolini ao sabor de seus apetites, e concluíram que nossos parlamentares de esquerda são mais fascistas que os de direita.

1 min de silêncio para a ciência baseada em evidências.

Pedro Dória, ex-editor chefe d’O Globo responsável pela capa do jornal que expôs ativistas de Junho à implacável perseguição e criminalização, também na rede social ao lado, insiste que o que joga a sociedade nos braços do fascismo são os anarquistas. Isso mesmo, não são os liberais que apoiam o fascismo nas primeiras horas, não. São os opositores mais radicalizados do fascismo que levam ao fascismo. Entenderam?

1 min de silêncio para o caráter.

Entendam, não é que estamos vendo liberais assustados em agonia para não parecerem aliados de fascistas, eu é que ~implico~com liberais, nas palavras de alguém que é querido, mas generoso demais com quem não deve.

A esquerda, os anarquistas e demais antifas, certamente, seremos acusados, logo mais, de inviabilizar a retomada democrática. Porém, nunca os liberais. Paulo Guedes, afinal, nem é mais liberal. E como tudo mundo sabe, foi o #EleNão que elegeu Bolsonaro, confere?

Canalhas.

Publicação Original