Disfuncional

por Luiz Carlos Bresser-Pereira

Reprodução - internet
Isto é inaceitável para a centro-direita. Bolsonaro se tornou disfuncional também para ela, ou seja, para os empresários e a classe média conservadora.

Jamais o Brasil teve um presidente tão incapaz quanto o que está aí. Mas ele era “funcional” para uma elite econômica de centro-direita, ainda neoliberal, porque colocou no ministério da Economia um economista disposto a tudo liberalizar e privatizar.

Era igualmente funcional para uma classe média conservadora que se deixou convencer pela dupla Moro Dallagnol que o PT era mais corrupto que os outros partidos e fora Lula o líder dessa corrupção.

Mas, dada a evidente incapacidade da área econômica enfrentar os problemas da economia brasileira e levá-la a novamente crescer, esse senhor perdeu o apoio dos empresários de centro-direita. A jornalista Maria Cristina Fernandes mostrou isso no Valor de ontem, disponível no meu site.

Dada sua incompetência e loucura no enfrentamento da pandemia e na compra de vacinas, ele perdeu o apoio da classe média conservadora também de centro-direita. Perda que se aprofundou com a desmoralização da Lava Jato.

Agora, com a devolução de seus direitos e o notável discurso que pronunciou, Lula se tornou candidato natural da centro-esquerda à presidência da República no próximo ano e o provável vencedor.

Ainda que a centro-direita continue opositora a Lula, ela percebeu que precisa dramaticamente de um candidato para enfrentá-lo nas urnas que não seja Bolsonaro.

Não está claro quem será esse candidato, mas Bolsonaro, que já devia ter sido impichado pelos crimes que cometeu e cuja popularidade cai dia a dia, é ainda quem mais probabilidade de chegar ao segundo turno e enfrentar Lula.

Isto é inaceitável para a centro-direita. Bolsonaro se tornou disfuncional também para ela, ou seja, para os empresários e a classe média conservadora.

Ele não tem, portanto, apoio em qualquer setor importante da sociedade civil. E está começando a ser disfuncional também para o Centrão. A probabilidade que ele, ainda neste ano, seja afastado por um impeachment aumentou muito.

Publicação Original