A morte dos argumentos

por Daniel Omar Perez

Foto reproduzida da internet

Somos uma sociedade cansada, frustrada e como tal rompemos os laços sociais, nos recolhemos à individualidade, a vida privada , ao núcleo mais íntimo ou, no máximo, só me encontro com aquele que é igual a mim.

Estamos cansados e se torna difícil escutar o que não coincide com meus sentimentos de cansaço. Diante do cansaço só resta o gesto de anulação da palavra do outro diferente.

Estamos cansados para argumentar e é apropriado a esse estado de cansaço o ato de deslegitimar.

Acusar, lacrar, cancelar, caluniar, difamar são as formas da exclusão da diferença em favor do idêntico.

Estamos cansados e por isso perdeu a diferença, a singularidade. O cansaço encontra refúgio no idêntico. Nesse ambiente não precisamos mais argumentar, provar, demonstrar. Apenas festejamos a exclusão do outro.


– Daniel Omar Perez é professor de filosofia na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), pesquisador PQ 1D no CNPQ com pesquisas sobre o sujeito e a linguagem a partir de Kant. Atualmente a pesquisa aborda a relação entre estrutura da proposição e a natureza humana (antropologia). Também desenvolve um projeto sobre a constituição do sujeito a partir das relações de identificação. Uma abordagem entre a filosofia kantiana e a psicanálise freudiana e lacanaina.O trabalho de pesquisa se concentra na questão de como nos constituímos a nós mesmos tanto individual quanto coletivamente como sujeitos. Abordam-se fenômenos como massa, povo, coletivo, relações amorosas e situações diagnosticadas no espectro do autismo. Em 2012 realizou um estágio de pós-doutorado na Bonn Universität (ALEMANHA) onde desenvolveu parte do projeto sobre antropologia em Kant e avançou na tradução das “Reflexões de Antropologia” de Kant iniciada em 2008. No ano de 2007 realizou outro estágio de pós-doutorado na Michigan State University (EEUU) com o apoio da Capes onde trabalho na antropologia pragmática de Kant e na organização do livro “Kant in Brazil” com Frederick Rauscher. Concluiu o doutorado em 2002 com a tese “Kant e o problema da significação” e o mestrado em 1996 com a dissertação “Significação dos conceitos e solubilidade dos problemas (acerca do esquematismo transcendental na Crítica da razão pura de Immanuel Kant como procedimento de doação de sentido aos conceitos)”, ambas na Universidade Estadual de Campinas (BRASIL) com o apoio da Capes. Obteve o título de licenciado em filosofia em 1992 na Universidade Nacional de Rosario (ARGENTINA). Publicou artigos científicos em revistas nacionais e internacionais, livros e capítulos de livros s sobre filosofia e psicanálise. Entre suas publicações podemos contar Kant e o problema da significação (Editora Champagnat, 2008); O Inconsciente: onde mora o desejo (Civilização Brasileira, 2012); Ontologia sem espelhos. Ensaio sobre a realidade (CRV, 2014), Sentimentos em conflito (Editora PHI, 2019), O pêndulo de Epicuro (CRV, 2019). Orientou numerosas pesquisas no nível de iniciação científica, trabalho de conclusão de curso de graduação, especialização, mestrado e doutorado na área de filosofia e de psicanálise. É membro da Sociedade Kant Brasileira. Também tem formação como psicanalista a partir de 1990 na Argentina. Em breve será publicada a Tradução, estudo introdutório e notas das “Reflexões de antropologia” do volume XV das obras completas de Immanuel Kant em 3 volumes.
(As informações foram obtidas do Lattes e informadas pelo professor)


Publicação original:

A morte dos argumentos Somos uma sociedade cansada, frustrada e como tal rompemos os laços sociais, nos recolhemos à…

Publicado por Daniel Omar Perez em Quarta-feira, 19 de agosto de 2020